Geral, Linux, RHEL, Tools, Virtualização

Integrando o Vagrant com libvirt/KVM no RHEL/CentOS 7

Primeiro o que é Vagrant?

Vagrant é uma ferramenta utilizada para criação e configuração de ambientes de trabalho (desenvolvimento, testes, homologação, produção etc) de forma configurável, reproduzível, portável, isolada  e automatizada. Humm… lembra um pouco algumas características do Docker, não?

Bom, em partes sim! Porém para um ambiente que utiliza virtualização tradicional. Docker e seu ecosistema tem avançado em uma velocidade absurda. Mas creio que ainda levará um tempo para o mercado corporativo começar a adotar Docker em larga escala em seus Data Centers privados. Virtualização tradicional tem vida longa ainda e, na minha opinião, irá coeexistir junto com iniciativas de Cloud baseadas em Containers.

Descrevendo de uma forma um pouco mais clara… Vagrant permite que você:

  • crie imagens (Boxes) baseadas em um Sistema Operacional qualquer
  • instale e configure pacotes/recursos utilizando uma ferramenta de automação (Provisioner) – também chamada de Configuration Management Tool. Vagrant suporta diversas dessas ferramentas: shell, chef, puppet, ansible.
  • provisione essa imagem em um hypervisor (Provider) específico: VirtualBox, VMWare, HyperV, KVM. Vagrant poder ser integrado inclusive com Cloud Providers como AWS, Digital Ocean etc.

Bom, Não vou me estender na descrição da ferramenta neste post. Para mais detalhes veja a Vagrant doc oficial.

Quando você lê o a documentação oficial do site, percebe que os providers oficialmente suportados e disponíveis Out of Box pelo Vagrant são: VirtualBox o Vmware.

Pô! Uso Linux e meu Hypervisor é o KVM! Como fazer com que o Vagrant utilize o KVM como provider?

Graças à API libvirt e o mecanismo de Vagrant plugins, existe um plugin que permite essa integração: vagrant-libvirt

Neste post descrevo os passos para instalar e configurar o Vagrant integrado com libvirt/KVM em um Host RHEL 7/Centos 7.redhat-logo

Infelizmente até o momento o Vagrant não está disponível no reposiório oficial da Red Hat. Entretanto ele está disponível no próprio site do projeto Vagrant, ná página Vagrant downloads.

Após baixar o RPM para seu host instale utilizando o yum.

sudo yum localinstall ~/Downloads/vagrant_1.7.4_x86_64.rpm

Confira a instalação

vagrant --version
Vagrant 1.7.4

Instale os seguintes pacotes necessários para plugin do provider (libvirt):

sudo yum install libxslt-devel libxml2-devel libvirt-devel libguestfs-tools-c

Em seguida instale o plugin do libvirt e o plugin nfs_guest.

vagrant plugin install vagrant-libvirt vagrant-nfs_guest

Installing the ‘vagrant-libvirt’ plugin. This can take a few minutes…
Installed the plugin ‘vagrant-libvirt (0.0.30)’!

Verifique a lista de plugins instalados:

vagrant plugin list

vagrant-kvm (0.1.9)
vagrant-libvirt (0.0.30)
vagrant-nfs_guest (0.1.5)
vagrant-share (1.1.4, system)

Ok! O próximo passo é começar a provisionar VMs. Na terminologia do Vagrant VMs são Boxes. Assim como o Docker hub, existe um repositório público de Boxes chamado Atlas Hashcorp. Basta buscar por um Box usando o nome do sistema operaciona ou o nome do provider. Ex: procure por imagens criadas para libvirt.

Vamos adicionar uma Box em meu host local. Eu escolhi uma imagem baseada no Centos 7 criada pelo usuário uvsmtid.

vagrant vagrant box add --insecure uvsmtid/centos-7.0-minimal
==> box: Loading metadata for box 'uvsmtid/centos-7.0-minimal'
box: URL: https://atlas.hashicorp.com/uvsmtid/centos-7.0-minimal
==> box: Adding box 'uvsmtid/centos-7.0-minimal' (v1.0.0) for provider: libvirt
box: Downloading: https://atlas.hashicorp.com/uvsmtid/boxes/centos-7.0-minimal/versions/1.0.0/providers/libvirt.box
==> box: Successfully added box 'uvsmtid/centos-7.0-minimal' (v1.0.0) for 'libvirt'!

Diferentemente de uma Docker Image os Vagrant Boxes são imagens de VMs tradicionais! Portanto são bem maiores. O download pode demorar um pouco. Aguarde!

Verifique as imagens adicionadas em seu host com o comando abaixo

vagrant box list
uvsmtid/centos-7.0-minimal (libvirt, 1.0.0)

Agora é necessário criar um descritor chamado VagrantFile. Esse cara é uma espécie de Dockerfile e através dele o Vagrant faz toda a sua mágica de provisionamento da VM.
Crie um diretório (como um projeto) para hospedar o descritor e os metadados para as suas Vagrant Boxes.

mkdir -p ~/vagrant/centos7-minimal
cd ~/vagrant/centos7-minimal

vagrant init uvsmtid/centos-7.0-minimal
A `Vagrantfile` has been placed in this directory. You are now
ready to `vagrant up` your first virtual environment! Please read
the comments in the Vagrantfile as well as documentation on
`vagrantup.com` for more information on using Vagrant.

Veja que o Vagrant criou um descritor Vagrantfile no diretório atual e um diretório oculto (.vagrant) para armazenar metadados (arquivos criados durante a inicialização da).

➜  tree -a .
.
├── .vagrant
│   └── machines
│       └── default
│           └── libvirt
│               ├── created_networks
│               ├── creator_uid
│               ├── id
│               ├── index_uuid
│               └── private_key
└── Vagrantfile

Agora basta executar o comando:

vagrant up

Bringing machine 'default' up with 'libvirt' provider...
==> default: Creating image (snapshot of base box volume).
==> default: Creating domain with the following settings...
==> default:  -- Name:              centos7-minimal_default
==> default:  -- Domain type:       kvm
==> default:  -- Cpus:              1
==> default:  -- Memory:            512M
==> default:  -- Base box:          uvsmtid/centos-7.0-minimal
==> default:  -- Storage pool:      default
==> default:  -- Image:             /var/lib/libvirt/images/centos7-minimal_default.img
==> default:  -- Volume Cache:      default
==> default:  -- Kernel:
==> default:  -- Initrd:
==> default:  -- Graphics Type:     vnc
==> default:  -- Graphics Port:     5900
==> default:  -- Graphics IP:       127.0.0.1
==> default:  -- Graphics Password: Not defined
==> default:  -- Video Type:        cirrus
==> default:  -- Video VRAM:        9216
==> default:  -- Keymap:            en-us
==> default:  -- Command line :
==> default: Pruning invalid NFS exports. Administrator privileges will be required...
==> default: Creating shared folders metadata...
==> default: Starting domain.
==> default: Waiting for domain to get an IP address...
==> default: Waiting for SSH to become available...
    default:
    default: Vagrant insecure key detected. Vagrant will automatically replace
    default: this with a newly generated keypair for better security.
    default:
    default: Inserting generated public key within guest...
    default: Removing insecure key from the guest if it's present...
    default: Key inserted! Disconnecting and reconnecting using new SSH key...
==> default: Configuring and enabling network interfaces...
==> default: Rsyncing folder: /home/rsoares/vagrant/centos7-minimal/ => /vagrant

Voila!
Sua VM Centos7 UP and Running!

NOTA: na época da escrita desse post a última release do plugin vagrant-libvirt era a 0.0.30. Tem um bug nessa versão documentado em: https://github.com/pradels/vagrant-libvirt/issues/412. Nos comentários da issue tem um trecho de código (Ruby) que resolve o problema. Copie o trecho de código e altere o arquivo ‘ ~/.vagrant.d/gems/gems/vagrant-libvirt-0.0.30/lib/vagrant-libvirt/action/prepare_nfs_settings.rb. Salve o arquivo e execute o vagrant up novamente.

Para acessar a VM:

vagrant ssh

Para ver um status das VMs gerenciadas pelo Vagrant no host atual:

vagrant global-status
id       name    provider state   directory
------------------------------------------------------------------------
5b3e766  default libvirt running /home/rsoares/vagrant/centos7-minimal

The above shows information about all known Vagrant environments
on this machine. This data is cached and may not be completely
up-to-date. To interact with any of the machines, you can go to
that directory and run Vagrant, or you can use the ID directly
with Vagrant commands from any directory. For example:
"vagrant destroy 1a2b3c4d"

Para efetuar um shutdown na VM:

vagrant halt
==> default: Halting domain...

Para eliminar a VM:

vagrant destroy
==> default: Removing domain...

Pode destruir sem dó! A ideia do Vagrant é essa! Criar e recriar ambientes de forma rápida, automatizada sem stress! 🙂

Bom, por hoje é só! Há muito mais para falar do Vagrant e suas funcionalidades. Em um próximo post quero abordar a questão da portabilidade entre os diferentes providers (Hypervisors). Tipo, como portar essa mesma imagem que foi provionada em cima do KVM (com o plugin libvirt) para o provider VMWare ou VirtualBox? É possível!


Referências utilizadas neste post:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s